quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Goa ou O Guardião da Aurora

Durante muito tempo, anos, tive o privilégio de tomar o pequeno almoço, quase todos os dias , com Richard Zimler.
Frente a frente no mesmo café, partilhamos o mesmo gosto pelos queques quentinhos e saborosos acompanhados de meia-de-leite.
Não, nunca falei com ele!
Nem sequer lhe pedi um autógrafo.
Quando muito trocámos algum sorriso cúmplice a propósito dos comentários altamente filosóficos que o empregado do café fazia, nos seus dias mais inspirados! Cada um comia na sua mesa, ele antes de ir dar as suas aulas na Católica, eu depois de ter deixado o meu filho no colégio e antes de ir trabalhar.

Nascido em Nova Iorque em 1956, vive no Porto desde 1990 e naturalizou-se em 2002. Dá aulas de jornalismo, traduz para o inglês vários autores portugueses contemporàneos e escreveu vários romances dos quais o mais conhecido talvez seja « O último Cabalista de Lisboa», mas ainda «Trevas de Luz», «Meia-noite ou o príncipio do mundo», «À procura de Sana».
Hoje venho-vos falar de

« Goa ou o Guardião da Aurora ».

Mais do que divulgar um livro ou o seu autor , trago-vos a minha visão sobre o que li, a forma como o senti e as palavras que são minhas.
A história passa-se em Goa no séc. XVI e retrata magistralmente uma época em que o colonialismo português aliado à inquisição devastam a sociedade indiana e judaica.A história marca-nos pelo que podia ter sido e não foi. Como às vezes um pequeno nada, modifica a nossa vida , ou dá cabo dela.
Tiago e Sofia, apesar de orfãos de mãe, vivem uma infância feliz e acabam de ser criados pelo pai judeu e por Nupi, a ama indiana, numa harmonia de cultura e ensinamentos, rituais e festas.
No entanto,Sofia, loura e de pele clara, sofre com a sua mistura europeia e indiana, e vai fazer de tudo para renegar esta sua ascendência. Seduzida pela esposa portuguesa e católica, do Tio Isacc, toma as rédeas do seu próprio destino decidindo casar com o seu primo Wadi e marca o destino dos outros, mas isso só o vamos descobrindo aos poucos.

Até aqui a história é-nos narrada em retrospectiva, vista pelos olhos de Tiago que recorda esta infância feliz enquanto apodrece nos calabouços da Inquisição. Recorda também a prisão do pai, traído por alguém que roubara um manuscrito judeu do seu bisavô e o entregara. A tortura a que o pai foi sujeito, a tentativa de suborno para o libertar e finalmente a morte por envenenamento que ele próprio facultou ao pai.
Após a morte do pai, quando Tiago tenta recuperar o seu filho e a noiva, é preso também ele e, durante seis anos, cumpre pena em Lisboa. Tem raciocínios e conclusões espantosas sobre o que o rodeia e perde a sua ingenuidade e bondade natural ao ver as atrocidades cometidas em nome da fé. Aí começa a delinear e a tecer a vingança contra o Padre Carlos e quando o consegue descobre que «após um curto e luminoso momento de êxtase, perdeu o ânimo».
Quando regressa ao seu país as coisas já não são iguais, Sofia morrera e ele culpa o primo. Tudo se precipita, à procura de quem o traíra a si e ao pai, vai de descoberta em descoberta. Tiago enreda-se numa vingança sem retorno, sem futuro nem para ele nem para ninguém. É Nupi quem lhe revela toda a verdade, ali, tão evidente e que ele sempre se recusou ver...
Apesar da realidade dura das prisões e calabouços portugueses, da injustiça de uma inquisição que tortura inocentes, das vidas despedaçadas, dos destinos adulterados, li o livro sem angústia, sem revolta, sem o incómodo da impotência ou da dor. A narrativa é tão serena, as coisas fluem tão naturalmente, a inevitabilidade dos factos é vivida numa simbiose tal que nos sentimos serenamente presos nesta trama, com vontade de descobrir o final.Como diz a contra capa, Zimler dá-nos um livro imaginativo, estimulante e profundamente sensível.

Não deixem de o ler!
Podem ler aqui no blog da Noémia.

3 comentários:

Cláudia M. disse...

Noémia, eu simplesmente amei este livro. Tb li o "Meia-noite..." e "À procura de Sana", mas este foi sem dúvida o meu preferido. Gostei mto da tua visão do livro, só que comigo passou-se algo diferente: eu fiquei perturbada com aquelas descrições das torturas e outras situações, o livro mexeu mto comigo, não o li serenamente... mas adorei lê-lo, sem dúvida. Marcou-me muito.
Qto ao L. Antunes, se há coisa que me irrita qdo estou a ler um livro é dar por mim a pensar "mas de que é que ele está a falar agora?..." e ter que voltar atrás para tentar apanhar o fio à meada, se é que há um fio... não há pachorra!

Noémia disse...

Também gostei do «À procura de Sana» mas este, para mim, foi o melhor.
Quanto ao L.A. sinto o mesmo que tu...já comecei a ler três vezes o « Não entres tão depressa nessa noite escura » e é mesmo como tu dizes!Tenho que voltar atrás para ver quem está a falar. Desisti!

Isabel disse...

Ainda não li mas já está na minha lista há algum tempo. Agora fiquei com mais vontade ainda.
Bjs