segunda-feira, 6 de outubro de 2008

«Equador»

Por iniciativa da Claudia do blog Eu crio a minha vida, foi criada já há algum tempo a Academia dos Livros. Fui convidada a participar e logo apoiei a ideia e disse que sim, que contasse comigo.
Só agora vou contribuir com a minha primeira participação, mas nunca é tarde (justifico a mim própria), isto porque tenho andado sem me conseguir concentrar na leitura, eu que sou uma leitora compulsiva, devoro livros... nem parece coisa da minha pessoa, andar um livro na mesa de cabeceira a apanhar pó há meses...

Desde que me conheço e que aprendi a ler, um livro foi sempre companhia habitual para onde quer que fosse, onde quer que estivesse. Li tudo o que havia de livros infantis e depois na adolescência, ia à biblioteca e trazia três livros de cada vez, tinha quinze dias para os entregar, três ou quatro dias depois lá estava eu de novo a entregar aqueles e buscar outros e dizia a bibliotecária que tinha cara de intelectual e falava com as pessoas sem tirar os olhos do jornal "Oh menina!!! Já??? Deixe aí em cima e vá lá e escolha" e que poupadinha ela era nas palavras...

Em casa, tinha também muitos livros, uns que recebia de presente, outros que pedia ao papá para comprar, outros que comprava com os escuditos que as avós iam dando... Fazia colecções que ainda andam lá por casa da mami e trocava com os amigos e amigas... Enfim... velhos tempos que já lá vão e que tantas saudades deixam...

Banda desenhada é a única coisa que não consigo nem nunca consegui ler... não me entusiasma, não acho piada.

EQUADOR

É verdade, este ícone da literatura portuguesa do séc. XXI escrito por um jornalista/escritor/comentador televisivo que todos nós bem conhecemos, Miguel Sousa Tavares, veio parar à minha estante em 2004, comecei a lê-lo mas porque na altura lia dois e três livros ao mesmo tempo (andava um na pasta de trabalho, outro na mesa de cabeceira, outro em cima da secretária...) acabei por o encostar à box porque era um bocado pesado e ali foi ficando à espera de melhores dias. Lá o tirei da box mas o que é certo é que continuou descansadinho na mesinha de cabeceira, até que comecei a "devorá-lo" e agora ando "cega" para chegar ao fim.



É uma história fascinante que se desenrola numa antiga colónia portuguesa, S. Tomé e Príncipe, com inicio em Portugal e passagem pela India. Inspirado num período conturbado da história portuguesa no início do séc. XX e ultimos tempos da monarquia. Retrata essencialmente a politica de governação daquele território outrora português, o trabalho dos escravos nas roças e a discrepância entre nobres, ricos e governantes e, pobres, escravos e tiranos.

..."Como de costume, Luis Bernardo mandara servir o jantar na copa e não na sala de jantar, que lhe continuava a parecer um bocado grande, desagradável e formal, com os seus pesados armários de madeira indo-portugueses, que ele detestava particularmente. Além disso, a copa permitia-lhes abrir de par em par as portas que davam para o terraço, prolongando a noite e o jardim para dentro de casa."

Como eu o compreendo... as situações formais tornam tudo tão impessoal... e nada melhor que uma bela vista para o jardim.

"E estava uma noite particularmente bonita, de lua cheia e vento quieto, com um calor flutuante que trazia consigo um perfume a maresia e a flores cujo cheiro ele não sabia identificar, mas que Ann distinguia em pormenor."

Só de imaginar o ambiente, apetecia-me lá estar!

"Justificando-se com o acrescento de trabalho, ele indicara ao Sebastião (diplomáticamente, para não ofender o seu brio), que se fizesse coadjuvar pela Doroteia, no serviço à mesa. Era uma provocaçãozinha ao João, que ficava fascinado com os movimentos ondulantes e silenciosos, com o sorriso de dentes brancos e olhos negros com que a Doroteia evoluía à volta da mesa. Mesmo de pé, circulando e ajudando a servir à mesa silenciosamente, ela era a mulher que faltava ao grupo e a verdade é que a sua presença não era indiferente a qualquer um dos homens ali presentes. Luís Bernardo saboreava com verdadeira volúpia o efeito que a Doroteia causava. Apetecia-lhe passar-lhe a mão pelas ancas, quando ela lhe vinha mudar o prato, ter um gesto que indicasse aos outros que era ele o proprietário e usufrutuário daquela pantera sedosa, talhada em ébano, em marfim e em lânguidas gotas de suor. Por uma vez, estivera à beira de consumar o gesto irreflectido, quando reparou que, sentada à sua direita, Ann observava a cena com aquela atenção instintiva que as mulheres têm para essas ocasiões. E quedou-se, de mão suspensa no ar, e corando, como um menino pequeno apanhado na iminência de uma flagrante asneira."

Ai o malandro... Pois, homens... não podem ver um rabo de saia... eheheh

"A Sinhá tinha feito a sua extraordinária sopa de peixe, que não conhecia rival nas ilhas, seguida de um assado de porco do mato enrolado em banana-maçã, que lhe dava um gosto requintado e imaginativo, digno de um chef francês. Um pudim de côco e um sorbet de manga rematavam a refeição, a propósito da qual e da abundante dose de piri piri da sopa da Sinhá, David comentou que nunca tinha percebido por que é que era justamente nos climas mais quentes que se usava mais picante na comida."

Bons garfos sim senhor... não se tratavam nada mal!

[transcrito das páginas 306 e 307 e comentários de Cenourita]

Recomendo a leitura desta obra em que história e ficção se entrelaçam na perfeição.


Pode ler aqui no blog da Cenourita.

2 comentários:

Cláudia M. disse...

Cenourita, li este livro há cerca de um ano atrás, e gostei bastante. É mesmo um grande romance, sem dúvida. (Não gosto lá muito é do autor, mas isso não é para aqui chamado... por acaso aqui há uns anos, não perdia um texto dele no "Público", mas entretanto "caiu-me em desgraça"). Adiante: é um livro excelente, muito bem escrito, sem dúvida, o enredo prende, é bastante interessante toda a narrativa. Tb recomendo a leitura. Bjs

Vekiki disse...

Olá!
Cheguei aqui hoje, agora. Fiquei estarrecida! Eu AMO livros, AMO ler, e tenho aqui tanta coisa para me inspirar nesse AMOR!
Já linkei este blog ao meu, assim passarei a vir tds os dia na minha ronda bloguista!
Espero-vos por lá, no Vekiki onde moro!
Equador - cheguei ao fim e apetecia-me voltar ao princípio...maluquices!
Vera