segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Cisnes Selvagens



Este livro narra a história de três gerações de uma família chinesa ao longo do século XX.
A autora conta a história da sua família centrando a narrativa na vida de três mulheres: a sua avó, a sua mãe e ela própria. As experiências de cada um destes três cisnes selvagens vão formando também um retrato da China. Jung Chang dá-nos assim a sua visão do conturbado século XX chinês, desde os anos de guerra civil que se seguiram ao fim do império, passando pelas várias fases das conturbadas políticas de Mao, até à tomada de poder de Deng Xiaoping, após a morte de Mao. A vida da avó enquanto jovem mostra-nos a teia complexa de inúmeras tradições seculares da qual era difícil escapar. A vida da mãe mostra-nos a apaixonada aderência dos jovens ao movimento comunista que prometia liberdade e igualdade e a posterior caça às bruxas da qual foram vítimas. Através da vida da filha ficamos a conhecer o culto da figura de Mao e a posterior queda por terra do mito. Deixo-vos aqui um pouquinho da vida de cada uma delas.


Yu-fang, a avó:

"Com quinze anos de idade, a minha avó tornou-se concubina de um caudilho militar, o general chefe da polícia de um vago governo nacional chinês. Corria o ano de 1924 e a China estava mergulhada no caos. (...) A ligação tinha sido combinada pelo pai, um obscuro funcionário da polícia na cidade provincial de Yixian. (...) O meu bisavô não era suficientemente rico para comprar uma posição lucrativa numa grande cidade, mas tinha planos. E tinha um bem valioso: uma filha. A minha avó era uma beldade. Tinha um rosto de forma oval, com faces rosadas e pele sedosa. O seu grande valor residia, porém, nos pés enfaixados, chamados em chinês "lírios dourados com oito centímetros". (...) Tinha a minha avó dois anos quando lhe enfaixaram os pés. (...)O processo demorava anos. Mesmo depois de os ossos terem sido partidos, os pés tinham de continuar enfaixados, dia e noite, em tiras de pano, pois no momento em que fossem libertados, tentariam recuperar. Durante anos, a minha avó viveu cheia de dores terríveis e constantes. Quando suplicava à mãe que lhe tirasse as faixas, ela chorava e dizia-lhe que isso arruinaria toda a sua vida futura, e que fazia aquilo para felicidade dela. Naqueles tempos, quando uma mulher casava, a primeira coisa que a família do noivo fazia era examinar-lhe os pés. Uns pés grandes, ou seja, uns pés normais, traziam vergonha para a casa do marido. (...)"
"Esperava-se que um homem como o general Xue tivesse concubinas. As esposas não serviam para dar prazer; esse era o papel das concubinas. Embora estas pudessem por vezes adquirir um poder muito considerável, o seu estatuto era muito diferente do da esposa. A concubina era uma espécie de amante institucionalizada, que se tomava e punha de lado a bel-prazer.A primeira vez que a minha avó soube da sua iminente mudança de situação foi quando a mãe lhe comunicou a notícia, poucos dias antes do acontecimento. Yu-fang inclinou a cabeça e chorou. Detestava a ideia de ser concubina, mas o pai tinha tomado uma decisão, e era impossível opor-se aos seus desejos. Discutir uma decisão paterna era considerado "impróprio de um filho", e fazer qualquer coisa imprópria de um filho equivalia praticamente a traição."

De-hong, a mãe:

"Havia já algum tempo que a minha mãe andava a voltar-se cada vez mais contra o Kuomintag. A única alternativa que conhecia era os comunistas, e sentira-se especialmente atraída pelas suas promessas de pôr fim às injustiças a que as mulheres estavam sujeitas. Até à altura, com quinze anos de idade, não sentira ainda a necessidade de empenhar-se definitivamente. A notícia da morte do primo Hu ajudou-a a decidir-se. Ia juntar-se aos comunistas."
"Depois de, com toda a franqueza, terem contado um ao outro as suas vidas passadas, o meu pai disse que ía escrever ao Comité do Partido pedindo autorização para «falar de amor» com a minha mãe, com vista a um casamento. Este procedimento era obrigatório. A minha mãe pensou que seria um pouco como pedir autorização ao chefe da família e na realidade era exactamente disso que se tratava: o Partido Comunista era o novo patriarca. "
"Dois meses depois de terem casado - e menos de um ano após a Libertação - os meus pais eram expulsos da terra natal da minha mãe pelos mexericos e a inveja. A alegria que a minha mãe sentira com a libertação transformara-se numa melancolia ansiosa. Sob o Kuomintag, fora-lhe possível descarregar na acção as suas tensões - e fora fácil sentir que estava a fazer o que devia, o que lhe dera coragem. Agora, pelo contrário, sentia-se permanentemente errada. Quando tentava conversar com o meu pai a respeito destas coisas, ele respondia-lhe que tornar-se comunista era um processo difícil e doloroso. Era assim que tinha de ser."

Jung, a filha:

"O «Presidente Mao», como lhe chamávamos sempre, afectou pela primeira vez a minha vida, de forma directa, em 1964, quando eu tinha doze anos. Tendo-se mantido afastado durante algum tempo depois da grande fome, estava a iniciar o seu regresso à ribalta e, em Março do ano anterior, lançara um apelo aos jovens para que «aprendêssemos com Lei-Feng».Lei Feng era um soldado que, segundo nos disseram, tinha morrido com 21 anos, em 1962. Fizera uma grande quantidade de boas acções, não olhando a esforços para ajudar os mais velhos, os doentes e os necessitados. Doara as suas poupanças para os fundos de auxílio aos sinistrados e dera as suas rações de alimentos a camaradas que estavam no hospital. Não tardou que Lei Feng começasse a dominar a minha vida. Todas as tardes, saíamos da escola para «fazer boas acções, como Lei Feng». (...) Gradualmente ao longo daquele ano de 1964, a ênfase foi-se transferindo das boas acções para o culto de Mao. A essência de Lei Feng, diziam-nos os professores, era «o seu amor e a sua devoção sem limites pelo Presidente Mao». Antes de fazer fosse o que fosse, Lei Feng pensava sempre em algumas palavras do Grande Líder. (...) E nós jurávamos seguir as pisadas de Lei Feng, e estar dispostos a «escalar montanhas de facas e mergulhar em mares de chamas», a «deixar que nos transformem o corpo em pó e os ossos em lascas», a «submetermo-nos incondicionalmente ao controlo do Grande Líder». O culto de Mao e o culto de Lei Feng eram as duas faces de uma mesma moeda: um era o culto da personalidade, o outro, seu corolário inevitável, o culto da impersonalidade."

Podem ler aqui, no blog da Isabel.

5 comentários:

Noémia disse...

Já estive para ler este livro e não sei porquê acabei por não o comprar. Aguçaste-me de novo a vontade de o ler!

Isabel disse...

O livro é muito interessante, porque nos dá a perspectiva de alguém que viveu todo este processo por dentro. Não é uma visão exterior. Ainda bem que ficaste com vontade de o ler.

Cláudia M. disse...

É um livro maravilhoso, eu adorei. Adorei, e ao mesmo tempo fiquei tremendamente chocada com algumas situações que desconhecia. Chocou-me em particular todo o sofrimento por que passou a mãe da autora, que vida terrível. Aliás, todas elas sofreram imenso, cada uma de diferentes maneiras. Também recomendo.

Miss Slim disse...

Vim agora do blog da Rizonha.
Gostava de saber o que é necessário para ser sócia e como funciona.

Meu email: miss.slim@gmail.com

ameixa seca disse...

Olá Miss Slim :)
Bem vinda a esta Academia. O que era preciso já fizeste. É só dizer que queres ser sócia. Vou colocar cá o teu nome e depois enviar-te um mail com o banner da academia.
Depois é só fazeres a sugestão literária que quiseres, quando quiseres :)
Obrigada!