domingo, 15 de novembro de 2009

Notas de Cozinha


Leonardo da Vinci (1452-1519) é uma das figuras mais multifacetadas da história. Considerado desde o séc. XVI como uma espécie da “mago”, foi pintor, escultor, arquitecto e mestre de banquetes nas cozinhas de Ludovico Sforza.

É assim que é apresentado o Autor deste livro, que li e que é mais uma contribuição para a Academia.

Em 1469, com 17 anos, Leonardo vai como aprendiz para Florença, para a oficina de Verrochio, onde fica durante 3 anos. Passado esse tempo e enquanto se procura impor como pintor, começa a trabalhar à noite como criado de mesa, na Taverna dos Três Caracóis. Na Primavera de 1473, todos os cozinheiros morrem misteriosamente por envenenamento e Leonardo é incumbido de supervisionar as cozinhas. Com o seu espírito inquieto, rapidamente transforma a sensaborona polenta com carnes, em pratos novos e requintados.
Em 1478, a Taverna dos Três Caracóis é destruída por um incêndio e Leonardo, com Sandro Boticelli, abre uma nova taverna nesse sítio, decorada com telas de Verrochio e denominada A Marca das Três Rãs de Sandro e Leonardo. O estabelecimento não foi propriamente um sucesso e em 1482, Leonardo parte para Milão, onde fica ao serviço de Sforza, como Conselheiro sobre Fortificações e Mestre das Folias e Banquetes. A princípio, Leonardo pouco mais faz do que “animar os pós-prandiais”, com o seu alaúde, mas aos poucos vai fazendo outras coisas, como o projecto de alteração das cozinhas do Palácio Sforza.
E Leonardo lista os requisitos básicos de uma cozinha:

“Primeiro que tudo [é preciso] um lume permanente. Depois, um fornecimento constante de água a ferver. A seguir, um chão que esteja sempre limpo. Então, vêm dispositivos para limpar, moer, talhar, pelar e cortar. Seguidamente, um dispositivo para manter a cozinha livre de cheiros e fedores, enobrecendo-a com uma atmosfera suave e sem fumo. E música, pois que os homens trabalham melhor e com mais alegria quando há música. Finalmente um dispositivo para eliminar as rãs dos barris de água potável".

Ao longo da sua vida, Leonardo vai desenvolvendo alguns utensílios para facilitar o trabalho na cozinha e discorrendo sobre a cozinha e a comida, no Codex Romanoff.

Deixo uma nota sobre etiqueta à mesa:

“O meu Senhor Ludovico tem o costume de atar coelhos adornados com fitas às cadeiras dos seus comensais, a fim de que estes possam limpar as mãos engorduradas às costas do animal, costume que eu considero impróprio na época em que vivemos. E quando, depois da refeição, os animais são recolhidos e trazidos para a lavandaria, o fedor infiltra-se nos outros panos que são lavados conjuntamente com eles. Também não me apraz o hábito de o meu Senhor limpar a faca às vestes do vizinho. Porque razão não lhe é possível fazer como os outros membros da corte que a limpam à toalha trazida para o efeito?”

Podem ler aqui no blog do Cupido.

1 comentário:

Ana Maria disse...

Gostei muito do blog, vou passar sempre por aqui. Adorei o post sobre "Caim", que vou ler em breve!

habitos-malos.blogspot.com