quinta-feira, 5 de novembro de 2009

A Cabana

Acabei de ler «A cabana».
Aqueles que me costumam visitar por aqui sabem que não é o tipo de livro que costumo ler, não é o género nem o tipo de escritores que me seduzem.
Então como é que fui ler este livro?
Várias vezes peguei nele, na FNAC, folhei e voltei a pousá-lo. Ele está em grande evidência em todos os escaparates. De novo passava numa livraria e sentia-me atraída por ele. Voltava a manuseá-lo, a ler um pouco aqui e ali, e voltava a largá-lo.
Todos sabem que adoro neve, que o meu sonho seria viver 2 a 3 meses numa cabana aí para a Noruega ou Suécia, para ter a noção do tempo a passar, para sentir-me isolada do mundo e das suas "coisas" numa espécie de retiro espiritual e de encontro. Só comigo e com a minha família, sim, que eu não queria ir só! Pois, se calhar, era este desejo latente que me atirava para aquela capa azul, para aquele branco de neve e para o título sugestivo. Se repararem bem aquela capa irradia uma luminosidade cintilante, quase.


Acabei por ler o livro on-line.
Li-o e gostei.
O livro pede para não contarmos a história mas para divulgarmos a nossa opinião sobre ele. É o que vou fazer.
Na verdade é uma história dos nossos dias, uma tragédia que infelizmente acontece, demasiadas vezes nos últimos tempos, sobretudo no estrangeiro, o rapto e assassínio de uma criança. Um relato real, bem feito e que nos prende. Passam-se três anos e depois de algum mistério temos o pai da criança que regressa à cabana onde a tragédia se consumou. Depois, bem, depois temos um relato fantástico de Deus e da Trindade. Digo fantástico porque é das interpretações mais puras, poéticas e ...doces? Cativantes? Não sei classificar mas que nos toca completamente. E quem me conhece sabe que sou um rochedo, bem díficil de "tocar"!
Há um ou outro pormenor meio desconcertante, naif, próprio da cultura americana. Mas tirando esse facto e o de eu ter lido a tradução brasileira, o que tirou 1/3 da beleza ao texto, tenho a certeza que todos gostarão do livro. A história, independentemente das crenças religiosas, vale a pena ser lida, experimentem!


Não estive na neve em nenhum daqueles países que desejava, mas estive numa cabana.
Em vez de retiro espiritual, tive mais uma reflexão religiosa.
O tempo, esse passou rapidamente!
Ah, e não sei porquê mas ando a trautear o José Cid!



A maioria de nós tem suas próprias tristezas, sonhos partidos e corações feridos, cada um viveu perdas únicas, nossa própria "cabana".

Oferece uma das visões mais pungentes de Deus e de como ele se relaciona com a humanidade.


Podem ler aqui no blog da Noémia.

6 comentários:

Bia disse...

Ainda não li A cabana, mas meu namorado leu e disse que gostou, mas que ele chega a ser cansativo em alguns momentos.
Quem sabe eu não tomo coragem um dia desses????

Bjs

Noémia disse...

Eu naão diria cansativo mas confuso quando se trata de algumas definições!

Tinkerbell disse...

tens um selo no imaginarium p/ ti ;)

made in ♥ love disse...

Tenho de ler, mas estou proibida de comprar mais livros até ler todos os que estão à espera de leitura :S mas vai para a lista

Um beijinho
Eduarda
Be in ♥ love

tuxa disse...

ola conheci agora o seu blog e amei...
ja comecei a ler este livro e amei...
beijinhos
bom fim de semana...

Diana disse...

Gostei muito do blog!
tem livros que realmente ja pensei em comprar! mas estou com um bocadinho de medo!