quarta-feira, 11 de março de 2009

Catarina de Bragança

Já há bastante tempo que não escrevia para a Academia, primeiro porque andei um bocadinho arredada dos livros e porque depois comecei a ler um livro muito grande. Mas agora aqui estou eu a cumprir o meu dever de sócia da Academia dos Livros, o que neste caso não é só um dever mas também um prazer.




Acabei agora de ler o livro de Isabel Stilwell, Catarina de Bragança, A Coragem de uma Infanta Portuguesa que se tornou Rainha de Inglaterra. Este livro conta a história de Catarina de Bragança desde o nascimento até à morte. A escrita da autora é muito simples e fluida. O livro não pretende ser uma obra-prima da literatura, apenas uma biografia completa da rainha. Apesar de alguns factores serem romanceados, todas as fases da vida de Catarina são contadas com muito rigor histórico e são raras as personagens do livro que não são reais.
O livro começa por contar a infância simples e despreocupada de Catarina e de seus irmãos no Palácio de Vila Viçosa. Na altura eram apenas herdeiros do Duque de Bragança, não sonhavam que um dia o seu pai iria ser rei e eles infantes de Portugal. Nessa época o país tinha caído sob o domínio de Castela, sendo Filipe IV de Castela também Filipe III de Portugal. Quando Catarina tinha 3 anos o seu pai tornou-se rei de uma nova dinastia de reis portugueses e toda a família se mudou para o Paço da Ribeira, em Lisboa.


Paço da Ribeira, Lisboa, Séc. XVII


O período da Restauração, com todas as suas dificuldades e as intrigas típicas de qualquer corte transformaram a vida de toda a família, principalmente a de D. JoãoIV e D. Luisa de Gusmão que enfrentaram as maiores dificuldades para vencer a guerra contra Castela. Mas também Catarina viu a sua vida completamente alterada e tocada muitas vezes pela tragédia. Foi aqui que perdeu os seus dois irmãos mais velhos, Teodósio, o herdeiro do trono, e Joana, a sua confidente. Foi aqui que lhe disseram, que com a morte de sua irmã, lhe caberia a ela a tarefa de fazer um casamento útil ao esforço de guerra. Foi também aqui que começou a formar o seu carácter com a influência positiva de Padre António Vieira e de seus pais. Poderíamos dizer que Catarina herdou o melhor de cada um dos seus pais: o carácter forte da mãe e o feitio doce do pai.



Durante anos foi negociado o seu casamento com Charles, herdeiro do trono da Inglaterra, para assegurar a ajuda financeira desse país à nossa guerra da Restauração. Como já disse no post anterior o dote da princesa foi pago em açúcar vindo do Brasil, especiarias vindas do Oriente, e também a praça de Bombaim, muito útil aos ingleses que assim iniciaram o sua intensa actividade comercial com a Índia, mais tarde colónia inglesa. Foi também D. Catarina que introduziu na corte inglesa o hábito de tomar chá a meio da tarde, hoje tão típico dos ingleses!A sua atribulada vida de casada fica por contar, quem quiser saber mais tem que ler o livro.
Em resumo, achei a obra muito interessante, muito rigorosa em termos históricos e muito agradável de ler. A autora, luso-britânica, mostra com subtileza as diferenças culturais existentes na época entre os dois países, e o peso gigantesco da religião na sociedade da época. Leiam. Uma lição de história nunca fez mal a ninguém. Ficamos sempre a perceber um pouco melhor o presente, quanto conhecemos bem o passado.



Podem ler aqui no blog da Isabel.

4 comentários:

Maria Manuel disse...

Parabéns pela crítica que me deixou cada vez mais curiosa para pegar nesse livro. Tenho o livro na estante de minha casa à espera de 'vez' para ser lido. Gosto muito de romances e biografias histórias. Aprende-se sempre mais alguma coisa do que já sabáimos e normalmente foi aprendida muito ao de leve na escola.

Isabel disse...

Maria, é isso mesmo. Na escola damos muito ao de leve e também nos vamos esquecendo, não é?Aprendi imenso a ler este livro. E apesar de ser muito grande, lê-se muito bem.

Saltapocinhas disse...

ainda não comprei, mas está na lista de espera!
não devias era ter contado que a heroína morre no fim!! ;)

moonlight disse...

Também tenho este livro debaixo de olho porque gosto muito de romances/biografias históricas...