quarta-feira, 16 de junho de 2010

O braço esquerdo de Deus

Desde que este livro foi lançado, assim que li a sua sinopse e as críticas bastante favoráveis que lhe eram feitas, fiquei cheia de vontade de o ler e o ter na minha estante.
Num passeio feito há algum tempo a Olhão, a minha filha, por artes e manhas, comprou o livro sem que eu percebesse e surpreendeu-me no Dia da Mãe com esta prenda que me deixou muito feliz.
A história é envolvente e, como na sub-capa do livro diz que este volume é o primeiro de uma trilogia, só espero que os outros volumes não demorem muito a ser lançados, pois fiquei muito curiosa com a continuação da narrativa.

A sua chegada foi profetizada. Dizem que ele destruirá o mundo. Talvez o faça...

"Escutem. O Santuário dos Redentores, em Shotover Scarp, é uma mentira infame, pois lá ninguém encontra santuário e muito menos redenção."
O Santuário dos Redentores é um lugar vasto e isolado - um lugar sem alegria e esperança. A maior parte dos seus ocupantes foi levada para lá ainda em criança e submetida durante anos ao brutal regime dos Redentores, cuja crueldade e violência têm apenas um objectivo - servir a Única e Verdadeira Fé.
Num dos lúgubres e labirínticos corredores do Santuário, um jovem acólito ousa violar as regras e espreitar por uma janela. Terá talvez uns catorze ou quinze anos, não sabe ao certo, ninguém sabe, e há muito que esqueceu o seu nome verdadeiro - agora chamam-lhe Cale.
É um rapaz estranho e reservado, engenhoso e fascinante. Está tão habituado à crueldade que parece imune a ela, até ao dia em que abre a porta errada na altura errada e testemunha um acto tão terrível que a única solução possível é a fuga.
Mas os Redentores querem Cale a qualquer preço... não por causa do segredo que ele sabe mas por outro que ele nem sequer desconfia.

Podem ler aqui no blog da Risonha.

1 comentário:

Maria João disse...

Também gostei muito e só me custa que seja o numero 1 de uma trilogia. Fica yuma pessoa aqui a sofrer... Bjs