terça-feira, 26 de agosto de 2008

Veneza: O encontro do Ocidente com o Oriente

uma diva na Academia dos Livros.....






Tudo começou com um convite da querida Cláudia ... a idéia é adorável, encantadora. Adoro ler, acredito que herdei o gosto pela leitura da mamãe, que é formada em Biblioteconomia e sempre nos incentivou muito a ler. A Cláudia juntou pessoas queridas que também dividem este prazer e criou a "Academia dos Livros". A Ameixinha está reunindo todos os posts da Academia aqui. Já escreveram sobre muita coisa interessante...autores que desconhecia, outros que aprecio, outros que li e reli .... muito bom.

Entre Clarice, Machado, Zafón vou falar sobre Fernanda de Camargo-Moro. A Fernanda tem tudo a ver com o Sopa pois fala muito sobre culinária ..... Nao precisamos ler mais do que uma página para se encantar com a Fernanda. Li dois livros da Fernanda e comecei o terceiro ontem. Seus livros sao pura história, cultura, arqueologia, dicas, receitas ..... Me encanta a riqueza dos detalhes, a veracidade dos fatos ..... A Fernanda é carioca, cursou Museologia e História, é autora de diversos livros e tem um currículo admirável. O primeiro livro que li da Fernanda foi a "Ponte da turquesas". Já falei sobre o livro aqui, aqui, aqui, aqui e ele mora no meu criado mudo. O sultão Fatih Mehmet que o diga ......

Atualmente estou lendo "Arqueologias culinárias da Índia" mas vou comentar sobre o último livro da Fernanda que li. O livro é intitulado " Veneza: O encontro do ocidente com o oriente."

A Fernanda conseguiu contar toda a história de Veneza através da culinária. É incrível como ela descreve a construção de Veneza e ao mesmo tempo a evolução e a consagração da culinária local.

O livro foi vencedor do Gourmand World Cook Awards 2003 na categoria história da gastronomia e cozinha italiana. Quando a Fernanda escreveu o livro ela disse que ele contribuiria muito com o movimento slow-food. Tenho certeza que contribuiu e que continua contribuindo. Sou de origem italiana, veneziana assim como a Fernanda e não foi nada difícil me encantar ainda mais por Veneza. Ela conhece aquela cidade como ninguém....cada cantinho, aroma, sabor ..... o livro é puro encanto, receitas, história .....


Em "Veneza: o encontro do oriente com o ocidente" matei minha curiosidade sobre a origem do risotto, descobri porque o carpaccio se chama carpaccio, tive uma aula sobre a polenta em Veneza, o cardápio das festas tradicionais, bebi muito café, aprendi sobre a influência judaica na culinária veneziana .... viajei da Turquia até Veneza...fui de figos à fígados ..... Pensei em citar muitos trechos que me fascinaram mas quando peguei o livro nas mãos ele abriu bem no trecho em que a Fernanda fala sobre o foie-gras ..... E vamos à provável origem do famoso foie-gras ......"

Oriundo das mesas refinadas dos faraós egípicios, grande sucesso nas mesas romanas, o fígado também foi adotado pela culinária do povo da Laguna, onde até hoje é prato obrigatório. Mas quem teria inventado a engorda dos fígados? Um baixo-relevo egípcio datado da V dinastia mostra que Ti, o chefe dos segredos do faraó em todas a suas casas, era um grande aficionado dos foie-gras. .......... e Ateneu escreveu no século III que gansos gordos tinham sido enviados como presente pelo faraó do Egito ao rei Agesilau de Esparta, em 400 a.C. No Banquete dos sofistas, é citado o foie-gras, e entre as frases admiráveis, uma o define: "Um fígado ou, antes, uma alma de ganso ...." Teria sido uma lembrança do saber dos povo da Mesopotâmia, que consideravam o fígado o lugar onde ficava o sentimento." (Fernanda de Camargo-Moro)


Uma receita com fígado citada por Fernanda....

"fígado aos aromas":

1 peça de fígado, 1 punhdo de folhas de alecrim, sálvia, tomilho e salsa, 1 cebola grande, meio copo de azeite de oliva, meio cálice de vinho branco, 1 punhado de pimentanegra do Malabar moída na hora.


Numa caçarola com água e um punhado de folhas de alecrim, sálvia, tomilho e salsa, colocar um pedaço inteiro de fígado, sem a pele, para cozinhar em fogo brando, durante uma hora. Retire o fígado, deixe esfriar e corte-o em iscas finas. Cubra-as com uma cebolada de fatias finas umidecida com vinagre e vinho, frita no óleo. Salgue e polvilhe com bastante pimenta-negra moída. Deixe num lugar bem fresco para servir no dia seguinte. Como contorno....o fígado pede polenta, e da mais clara!


O livro é muito, muito interessante mesmo......assim como todos os livros da Fernanda de Camargo-Moro que tenho na biblioteca. Quem sabe amanhã não descobrimos algo sobre a polenta .....

Pode ler aqui no blog da Fabrícia.

1 comentário:

Cláudia M. disse...

Olá Fabrícia
Excelente sugestão!
Como já lhe tinha dito, não conhecia esta autora, mas é claro que estou com muita vontade de conhecer. Já tinha ficado quando li o que vc escreveu sobre ela, e agora fiquei ainda mais. Este livro deve ser mesmo bastante interessante. Quando tiver oportunidade, vou tentar encontrá-lo. A lista não pára de crescer... é pena que aqui em Portugal os livros sejam (quase) um artigo de luxo. Vou ver se o descubro na biblioteca aqui da cidade onde moro, sempre se poupa um dinheirinho...
Bjs.